segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Guia de Episódios - The Girlfriend Experience

The Girlfriend Experience 1.01 - Entry
Episódio piloto dessa nova série. A primeira coisa que chama a atenção é que os episódios só duram em média 30 minutos, algo típico de sitcoms, embora "The Girlfriend Experience" seja uma série dramática. Nesse piloto somos apresentados a Christine Reade (Riley Keough, sim, a própria neta de Elvis Presley em sua primeira série como atriz). Ela é uma estudante de direito lutando pela sua primeira vaga como estagiária em um grande escritório de advocacia. Depois de muitas entrevistas e várias recusas ela finalmente consegue sua vaga. O cotidiano do trabalho porém não é dos melhores. Seu chefe é um sujeito meio insuportável, o trabalho é excessivo e o pagamento nada satisfatório. Melhor se sai sua amiga que após encontrar um "sugar daddy" rico lhe coloca em uma bela casa, com carrões na garagem e muita mordomia. Durante um jantar ela acaba sendo seduzida por dinheiro fácil, ao acompanhar um homem mais velho em um restaurante. Sem nem sentir direito o que está acontecendo o fato é que Reade começa a entrar dentro do ramo de prostitutas de luxo, algo que lhe renderia muito mais dinheiro do que como uma simples funcionária de um escritório de advocacia. Gostei do que vi. Ainda é cedo para julgar, porém é aquele tipo de série que ao menos deixa a sensação de ser muito promissora, de ser ao menos bem interessante. Vou acompanhar com certeza. /  The Girlfriend Experience 1.01 - Entry (EUA, 2016) Direção: Amy Seimetz / Roteiro: Lodge Kerrigan, Amy Seimetz / Elenco: Riley Keough, Paul Sparks, Mary Lynn Rajskub.

The Girlfriend Experience 1.02 - A Friend
Segundo episódio. Aqui a jovem estudante de direito Christine (Riley Keough, a neta do cantor Elvis Presley) resolve ceder, aceitando o convite para fazer parte da lista de garotas de programa de luxo de uma madame de Nova Iorque. Como ela tem potencial nesse meio sua nova "empresária" resolve alugar uma bela casa para ela. Patrocinada, com a caução do aluguel pago, Christine começa a sair com os clientes. A maioria deles homens de meia idade, alguns com problemas psicológicos ou traumas emocionais. Tudo na fachada faz parecer algo até sofisticado, com encontros em belos hotéis e tudo mais. Porém tudo isso não disfarça o fato de que Christine é apenas mais uma jovem prostituta no mercado. Nesse episódio vemos ela atendendo seus primeiros clientes, começando a entrar de vez nesse tipo de situação, fazendo até mesmo que ela o compare com o serviço que tem um escritório de advocacia, onde é mal paga e precisa lidar com um chefe estressado, ou seja, boa coisa definitivamente não vem pela frente. / The Girlfriend Experience 1.02 - A Friend (Estados Unidos, 2016 ) Direção: Lodge Kerrigan / Roteiro: Lodge Kerrigan, Amy Seimetz  / Elenco: Riley Keough, Paul Sparks, Mary Lynn Rajskub.

Pablo Aluísio.

domingo, 25 de setembro de 2016

Arquitetura da Destruição

Título no Brasil: Arquitetura da Destruição
Título Original: Undergångens arkitektur
Ano de Produção: 1989
País: Alemanha, Suécia
Estúdio: Poj Filmproduktion AB, SVT Drama
Direção: Peter Cohen
Roteiro: Peter Cohen
Elenco: Rolf Arsenius, Bruno Ganz, Sam Gray, Arno Breker, Wilhelm Keitel, Jeanne Moreau
  
Sinopse:
Documentário que mostra como os líderes do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Partido Nazista) planejaram remodelar toda a Alemanha em termos arquitetônicos para concretizar e mostrar ao mundo inteiro a grandiosidade daquela nova sociedade ariana que ressurgia das cinzas. Liderados pelo ditador Adolf Hitler e por seus mais próximos colaboradores como o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels e o chefe da SS Heinrich Himmler, a Alemanha Nazista queria construir os mais impressionantes monumentos de todo o mundo, tudo feito em honra à sua ideologia.

Comentários:
Esse filme foi lançado no mercado de vídeo no Brasil durante os anos 90 e acabou fazendo bastante sucesso, pelo menos para quem se interessava por história mundial. O foco do documentário era direcionado para explorar as megalomaníacas ideias de Hitler para o império nazista que ele acreditava iria durar mil anos. Como se sabe o ditador tinha grande interesse e fascinação por arquitetura e arte. Por essa razão Hitler contratou os melhores profissionais para transformar sua capital Berlim em uma ode suprema aos seus ideais. Grandes monumentos, só comparados aos da Roma Antiga, seriam erguidos, tudo projetado em um estilo clássico reverencial ao grande Führer. Claro que antes que colocasse em prática todos os seus projetos uma chuva de bombas caíram do céu, destruindo a nação que Hitler sonhava ser a mais perfeita de todos os tempos. Para contar seu enredo o documentário expõe cenas inéditas da época, os originais dos projetos feitos para atender o gosto pessoal de Hitler e uma infinidade de documentos históricos que sobreviveram à guerra. Um interessante filme que demonstrava mais uma vez que em termos de loucura e megalomania poucas ideologias foram tão insanas como a dos nazis. Em determinado momento vemos o projeto absurdo de Hitler para construir uma grande arena nazista em Berlim, a maior do mundo, em escala fenomenal. Esse grande projeto até começou a ser construído, mas a obra teve que parar por causas dos bombardeiros aliados e da falta de material por causa dos esforços de guerra. Hitler, pelo visto, tinha uma visão nada condizente com a realidade pela qual sua nação passava naquele momento.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Life - Um Retrato de James Dean

Título no Brasil: Life - Um Retrato de James Dean
Título Original: Life
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Entertainment One
Direção: Anton Corbijn
Roteiro: Luke Davies
Elenco: Robert Pattinson, Dane DeHaan, Peter Lucas, Lauren Gallagher, Alessandra Mastronardi, Joel Edgerton
  
Sinopse:
Filme baseado em fatos reais. Durante os anos 1950 um jovem fotógrafo chamado Dennis Stock (Robert Pattinson) convence o ator rebelde James Dean (Dane DeHaan) a participar de um ensaio de fotos para ser vendido à famosa revista Life. Inicialmente relutante, James Dean concorda com a ideia e convence Stock a segui-lo em uma viagem de retorno que ele estaria fazendo para sua antiga cidade natal no meio oeste americano, em Fairmount, no estado de Indiana. Essa seria a última vez em sua vida que James Dean veria seu lar natal.

Comentários:
As fotos de James Dean que foram publicadas na revista Life nos anos 50 até hoje são consideradas as melhores já feitas do ator. Publicadas em vários livros, revistas e jornais ao longo dos anos se tornaram verdadeiros ícones do fotojornalismo moderno. Partindo delas escreveu-se o bom roteiro desse filme que procura recriar em detalhes os eventos que lhes deram origem. Como todos sabemos o ator James Dean morreu poucas semanas depois das fotos serem tiradas. Transformado postumamente em um dos maiores ícones cinematográficos de todos os tempos, tudo o que se dizia respeito a ele ganhou uma áurea de importância sem precedentes. O James Dean que encontramos nesse filme é um jovem ator prestes a se tornar um astro (na realidade quando morreu apenas um de seus filmes tinha realmente estreado nos cinemas americanos). O curioso é que quando essa nova produção foi anunciada muitos pensaram que Dean seria interpretado por Robert Pattinson, por causa das semelhanças que insistem dizer que existem entre ambos. Fugindo da polêmica e da comparação porém Pattinson preferiu interpretar o fotógrafo Dennis Stock que acabou entrando para a história justamente por causa das fotos que tirou. Em sentido geral é realmente um bom filme, muito agradável e até nostálgico, que recria um dos momentos mais curiosos da trajetória do mito e da lenda James Dean. Para cinéfilos em geral é realmente uma excelente pedida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Outono de Paixões

Título no Brasil: Outono de Paixões
Título Original: August
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Anthony Hopkins
Roteiro: Julian Mitchell
Elenco: Anthony Hopkins, Leslie Phillips, Kate Burton, Gawn Grainger, Rhian Morgan, Rhian Morgan, Rhoda Lewis
  
Sinopse:
O filme é uma adaptação da peça teatral Tio Vânia, baseado na obra de Anton Tchecov. A estória se passa em uma bucólica pequena vila na costa do país de Gales. Ieuan Davies (Anthony Hopkins) é um velho professor que no outono de sua vida redescobre o amor e o prazer nas pequenas coisas da vida. Filme vencedor do BAFTA Awards na categoria de Melhor Filme - Drama (em língua inglesa).

Comentários:
Ao longo de sua bem sucedida carreira como ator, Anthony Hopkins só se aventurou três vezes na direção. A primeira foi no pequeno e alternativo "Dylan Thomas: Return Journey", um filme independente pouco conhecido pelo público em geral. A segunda incursão do ator na direção porém foi bem mais pretensiosa. Esse "August" é uma adaptação da peça teatral do dramaturgo Anton Chekhov. Como se trata de uma adaptação teatral o público já sabe mais ou menos de antemão o que encontrará pela frente: um texto essencialmente indicado para quem aprecia bons diálogos (especialmente declamados) e boas atuações, tudo em ambientações que muitas vezes nos lembram do teatro. Hopkins realizou uma obra discreta, elegante e refinada, que apresenta excelente fotografia - valorizada pela beleza natural do País de Gales - onde o ator e diretor nasceu. Em termos de enredo o argumento desenvolve uma temática bem introspectiva, valorizando as crises existenciais decorrente da passagem do tempo. Um bela filme, daqueles que trazem tomadas de cena que mais parecem pinturas renascentistas. Da carreira na direção de Anthony Hopkins esse é certamente seu filme mais bem acabado, mais bem elaborado, mais bem escrito. Um belo retrato da velhice e dos sentimentos que afloram nessa fase de nossas vidas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Jovens Adultos

Título no Brasil: Jovens Adultos
Título Original: Young Adult
Ano de Produção: 2011
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Jason Reitman
Roteiro: Diablo Cody
Elenco: Charlize Theron, Patrick Wilson, Patton Oswalt, Elizabeth Reaser, Collette Wolfe, Jill Eikenberry
  
Sinopse:
Prestes a chegar aos 40 anos, a vida para Mavis Gary (Charlize Theron) parece não ir para frente. Ela está divorciada, se envolvendo com os homens errados em relacionamentos fracassados e casuais que não vão para lugar nenhum. Pior é olhar para o passado e se lembrar de seus tempos de escola quando era muito popular entre seus amigos. Agora ela descobre que sua antiga paixão da juventude está casado e muito feliz, pai de um lindo garotinho. Irritada com o seu destino Mavis resolve então voltar para sua velha cidadezinha natal onde pretende reconquistar o coração de seu namorado do passado. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz (Charlize Theron).

Comentários:
Bom filme, bem valorizado pela inspirada atuação da atriz Charlize Theron (que de certo modo deixou a vaidade de lado!). Ela interpreta uma mulher amarga, frustrada e magoada pelo tempo que tenta voltar para o passado, quando era admirada pelos amigos e colegas da escola. Um linda garota loira e popular dos tempos de escola que pareceu não ter dado muito certo! O problema é que esse passado obviamente não existe mais. Nem seu antigo namorado a quem ela nunca esqueceu tampouco é a mesma pessoa de antes. Mesmo assim ela resolve ignorar tudo e partir para o ataque, causando todos os tipos de constrangimentos, mal entendidos e problemas ao tentar voltar para um mundo ao qual ela não mais pertence. O filme é supostamente uma comédia, porém o humor que vemos aqui é obviamente bem negro, sarcástico até. O roteiro, escrito pela roteirista e stripper Diablo Cody explora muito bem a geração que já está nos "trinta e tantos" chegando perigosamente aos "quarenta e poucos", em um um momento da vida em que vários sonhos se evaporaram no ar e nada mais parece muito promissor pela frente. É um tipo de humor que também vai deixar uma estranha sensação de desconforto em que assiste ao filme. E é justamente por isso que vale a pena a sessão. Assista, se divirta e se possível se identifique. O sorriso amarelo logo surgirá, constrangido, em seu rosto.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Guerra de Canudos

Título no Brasil: Guerra de Canudos
Título Original: Guerra de Canudos
Ano de Produção: 1997
País: Brasil, Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures, Rio Filme
Direção: Sergio Rezende
Roteiro: Paulo Halm, Sergio Rezende
Elenco: José Wilker, Cláudia Abreu, Paulo Betti, Marieta Severo, José de Abreu, Selton Mello
  
Sinopse:
Filme baseado em um fato histórico real, "Guerra de Canudos" recria o terrível conflito armado que aconteceu no interior do nordeste brasileiro entre as forças armadas e um grupo de pessoas liderados por um líder religioso carismático chamado de Antônio Conselheiro (José Wilker). Pregando o fim dos tempos, ele conseguiu reunir uma grande população em um pequeno vilarejo chamado Canudos. Pregando contra o fim da monarquia e se declarando independente do resto do país, Conselheiro acabou se tornando um alvo para o governo, dando origem a um massacre sem precedentes na história do Brasil. 

Comentários:
Eu gosto bastante desse filme. Aliás sou meio suspeito para opinar pois sempre gostei de filmes adaptados de eventos marcantes da história do Brasil. O beato Antônio Conselheiro acabou sendo um desses protagonistas da história que até hoje segue sendo motivo de muitas controvérsias. Teria sido ele um lunático, um fanático religioso ou um homem com uma visão de mundo bem a frente de seu tempo? O bom roteiro dessa produção prefere apenas contar corretamente todos os fatos históricos, sem se tornar panfletário de uma causa ou uma mera propaganda ideológica. Assim acabou encontrando o caminho certo para o bom cinema. Até porque a história desse homem místico já é por si só demais interessante. Outro aspecto digno de nota que também vale ressaltar é o fato de que o massacre de Canudos jamais foi esquecido, mesmo após dois séculos. Um dos momentos mais curiosos e singulares da história do nosso país também deu origem a um banho de sangue que mesmo hoje em dia jamais podemos compreender bem. Que Antônio Conselheiro era um homem estranho, com ideias fora do comum, isso todos os historiadores já sabem bem. Agora, era necessário mesmo uma verdadeira guerra apenas por ele pensar diferente do poder dominante? Afinal qual seria a importância de uma vilazinha no meio do semi árido nordestino para o resto de um país continental como o Brasil? Assista ao filme e tente entender ou encontrar todas essas respostas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Guia de Episódios - The Path / Ray Donovan

The Path 1.02 - The Era of the Ladder 
A dissidente da seita Alison Kemp (Sarah Jones, mais gata do que nunca) abre o jogo para Eddie Lane (Aaron Paul) e conta para ele que seu marido foi morto meses atrás por membros fanáticos do "caminho", simplesmente porque ele quis ir embora. Depois do assassinato ela mesma passou a ser perseguida, precisando correr de uma cidade a outra, procurando escapar. Lane fica chocado... Ele ainda não aceita que os religiosos que só falam em paz e harmonia poderiam matar um homem apenas pela decisão de abandonar o grupo. Mesmo em dúvida Lane volta atrás e volta para a comunidade. Com o casamento em crise ele aceita participar de uma "cura" de 14 dias onde é trancado em um quarto, sofrendo todo tipo de agressão física, psicológica e moral. Uma verdadeira tortura. Enquanto isso o novo CEO da seita parte para a ofensiva. Cal Roberts (Hugh Dancy) entende que só há uma forma de ter mais convertidos: usando o poder da TV. Ele quer ter um programa televisivo e para isso aceita sair da discrição que até então vinha caracterizando aquela comunidade religiosa para chamar a atenção do público em geral. A intenção é atrair mais adeptos. O que ele não ousa confessar para ninguém é que o fundador da nova religião agoniza numa cama de um quarto no Peru, em coma. O líder religioso que se afirmava quase como uma entidade superiora dos demais mortais está ligado a aparelhos, em vida vegetativa. Pelo visto sua mensagem em nada serviu para salvá-lo dessa linha que o separa da vida e da morte. / The Path 1.02 - The Era of the Ladder (EUA, 2016) Direção: Mike Cahill / Roteiro: Jessica Goldberg / Elenco:  Aaron Paul, Hugh Dancy, Sarah Jones, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.
 
Ray Donovan 1.02 - A Mouth Is a Mouth
Como se sabe Ray Donovan ganha a vida de uma forma diferente. Ele é pago para limpar a barra de astros de Hollywood que se envolvem em escândalos. Aqui nesse episódio ele tem que lidar com a chantagem de um travesti que filmou o grande astro do momento fazendo sexo oral com ele. Nos filmes o ator encarna heróis de ação enquanto que na sua vida privada se mostrou um apaixonado por travestis e homossexuais. Para não divulgar o vídeo comprometedor o sujeito exige um milhão de dólares. Donovan arma então uma cilada para virar o jogo, colocando o chantageador como chantageado. Na outra linha narrativa seu pai, Mickey (Jon Voight), decide ir conhecer seus netos e sua nora. Desde que saíra da prisão Donovan deixou claro que o queria longe de sua família, até porque o velho é envolvido em vários problemas com a lei. Após ficar cumprindo uma pena de 20 anos de cadeia ele quer conhecer a vida familiar de seu filho, obviamente tentando tirar algum proveito disso tudo. Segundo episódio dessa primeira temporada, onde o roteiro já desenvolve melhor todos os personagens, até porque não há mais a necessidade de apresentar um a um como no piloto. Ray, que nunca dá um sorriso, continua tenso e seu relacionamento com o pai se torna ainda mais explosivo, à beira do colapso. Destaque para a excelente presença do veterano Voight, sempre um ponto mais do que positivo em cada cena que surge. / Ray Donovan - A Mouth Is a Mouth (EUA, 2013) Direção: Allen Coulter / Roteiro: Ann Biderman / Elenco: Liev Schreiber, Paula Malcomson, Eddie Marsan, Jon Voight.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Feriados em Família

Título no Brasil: Feriados em Família
Título Original: Home for the Holidays
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Jodie Foster
Roteiro: Chris Radant, W.D. Richter
Elenco: Holly Hunter, Anne Bancroft, Robert Downey Jr, Charles Durning, Geraldine Chaplin, Steve Guttenberg, Dylan McDermott, Emily Ann Lloyd, Claire Danes
  
Sinopse:
A vida de Claudia Larson (Holly Hunter) parece estar desmoronando. Ele acabou de ser demitida do trabalho no museu de Chicago. Sua filha está apaixonada e quer ir morar com o namorado (que não tem emprego e nem meios de sustentá-la). Para piorar ela precisa se reunir com seus familiares para a noite do dia de ação de graças, algo que ela não tem a menor vontade de fazer pois sabe que será julgada por todos os seus familiares presentes. Um verdadeiro terror! Filme indicado aos prêmios GLAAD Media Awards e Young Artist Awards.

Comentários:
Mais um drama familiar (com toques de humor) enfocando o feriado do dia de ação de graças (um dos mais populares nos Estados Unidos). Como é comum nesse tipo de filme vemos uma típica família americana tendo que se reunir novamente (muitas vezes contra a própria vontade de seus membros) para uma noite de confraternização, que na maioria das vezes termina numa grande e descontrolada lavagem de roupa suja entre todos eles. Assim temos pais magoados com os filhos, irmãos que se odeiam, tios inconvenientes e por aí vai. O filme é bem feito, bem atuado, com ótimo elenco (há no mínimo uma meia dúzia de atores conhecidos em cena), mas para quem gosta de cinema o grande atrativo mesmo é o fato de que foi dirigido por Jodie Foster. Esse foi o terceiro filme da atriz como cineasta (antes ela havia assinado a direção de "Galeria do Terror" e "Mentes Que Brilham"). A conclusão que se chega após assistir ao filme é que Jodie Foster se saiu muito bem atrás das câmeras, extraindo um excelente resultado de todo o elenco (afinal atores e atrizes se entendem melhor entre si). Na época de lançamento Jodie Foster declarou que se apaixonou pela estória após ler o pequeno conto que lhe deu origem (escrito por Chris Radant) em uma revista de Chicago. Acabou realizando um dos melhores filmes de sua filmografia, embora ela própria não atue na produção.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Uma Herança da Pesada

Título no Brasil: Uma Herança da Pesada
Título Original: Larger Than Life
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: United Artists
Direção: Howard Franklin
Roteiro: Roy Blount Jr, Pen Densham
Elenco: Bill Murray, Matthew McConaughey, Jerry Adler, Richie Allan, Maureen Mueller, Jeremy Piven
  
Sinopse:
Jack Corcoran (Bill Murray) é um palestrante motivacional de muito sucesso que é informado da morte de seu pai, um artista de circo. Também fica sabendo que o velho deixou para ele uma enorme herança! Intrigado por isso resolve ir até lá para conferir e descobre que a tal herança é na verdade um enorme elefante circense que agora terá que cuidar!

Comentários:
Bill Murray no passado era aquele tipo de comediante que sempre valia a pena. Antes de estrelar alguns filmes cult ele realmente fez muitas comédias sem compromisso como essa fita que no Brasil foi lançada diretamente no mercado de vídeo, não encontrando espaço no circuito comercial de cinema. É a tal coisa, o filme realmente funcionava melhor dentro de casa, sem muito compromisso. Como não poderia deixar de ser o maior destaque dessa produção era um grande elefante treinado chamado Jack cujo protagonista acaba herdando de seu pai. Basicamente o roteiro é daqueles que ficam o tempo todo batendo em apenas uma só piada: o pobre Murray tendo que cuidar de um animal daquele tamanho. Fora isso não há nada de muito interessante a não ser alguns nomes do elenco, entre eles o de Matthew McConaughey, ainda no começo da carreira, sem saber muito o que fazer em cena. Então é isso, nada de muito engraçado ou divertido. Em tempos atuais onde os animais criados em circo são motivo de muita controvérsia (muitos querem o fim desse tipo de coisa), o roteiro se torna ainda menos engraçado. Provavelmente você dará uma ou duas risadinhas amarelas e nada muito além disso. Porém se você é fã de Murray e não assistiu ainda vale pelo menos pela mera curiosidade.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Dickensian / The Librarians / The Last Kingdom

Dickensian 1.01 - Episode 1
Nova série que está estreando no canal BBC. Como o próprio título deixa claro se trata de uma adaptação da obra do escritor Charles Dickens. Como se sabe esse autor se notabilizou não apenas por sua imensa popularidade, como também pela forma como escrevia, mostrando ao lado de uma escrita fina e elegante o aspecto mais sórdido da sociedade inglesa, com ênfase para os excluídos, os pobres e os miseráveis. Também mostrou a miséria da alma humana em personagens como Ebeneezer Scrooge, um mesquinho que só se importava com dinheiro. Aliás como muito bem resumiu um crítico de literatura, Scrooge só teria um valor em sua vida, o valor do capital, nada mais. Nesse primeiro episódio duas coisas chamam a atenção. Primeiro a boa produção com refinada reconstituição de época. Segundo a curta duração de cada episódio (menos de 30 minutos), o que me deixou surpreso já que esse formato é mais adequado para séries de comédia, ao estilo sitcom. Como se trata de uma série dramática seria mais interessante ter a duração padrão para esse tipo de programa (40 a 45 minutos). Enfim, embora curto a qualidade não é prejudicada. No enredo somos apresentados aos personagens. Scrooge é o primeiro a chamar a atenção. Ele é um velho miserável que não está disposto a abrir concessões. Em plena noite de natal segue firme e forte para cobrar a dívida de um comerciante prestes a ver sua ruína comercial. Na outra linha narrativa vemos dois herdeiros recebendo a parte que lhes cabe da herança de um rico industrial do ramo de bebidas. O rapaz é praticamente deserdado, ficando com apenas dez por cento dos bens. Já sua irmã leva o grande quinhão. Isso obviamente acaba criando uma rivalidade que logo se mostrará perigoso para ela. Por fim uma jovem fica inesperadamente curada na noite de natal. Teria sido um milagre? / Dickensian 1.01 - Episode 1 (Inglaterra, 2015) Direção: Harry Bradbeer / Roteiro: Tony Jordan, baseado na obra imortal de Charles Dickens / Elenco: Joseph Quinn, Tuppence Middleton, Peter Firth.

The Librarians 1.01 - And the Crown of King Arthur
Essa série já está na terceira temporada nos Estados Unidos, mas eu nunca tinha assistido nenhum episódio. Bom, nunca é tarde para se conhecer. Assim resolvi conferir o episódio piloto que na realidade é uma fusão do primeiro e segundo episódios, com mais ou menos 90 minutos de duração (a mesma de um longa convencional). A minha conclusão é a de que embora seja bem produzido, realizado, com elenco interessante, simplesmente não é a minha praia. Essa série eu recomendaria apenas para um público mais juvenil, na faixa entre 12 a 16 anos. Muito provavelmente se você tiver uma faixa etária maior do que essa, simplesmente não vai gostar. O enredo é bem ao estilo fantasia. Tudo gira em torno de uma biblioteca que inclusive teria personalidade e vontade próprias. No centro fica a figura do bibliotecário e seus guardiões cuja principal função seria a de recuperar artefatos históricos famosos (como a coroa do Rei Arthur, por exemplo). A referência óbvia que me veio a mente foi as aventuras de Indiana Jones, mas claro tirando todas as devidas proporções, com o diferencial de que aqui tudo é muito mais fantasioso. Não há nada muito interessante para adultos, a não ser a presença da bela atriz Rebecca Romijn (a Mystique da franquia X-Men) que sinceramente falando parece meio perdida, sem o timing certo para seu papel (como era de esperar há sempre um clima presente de humor em praticamente todas as situações). Talvez o maior mérito da série seja a tentativa de transformar o ambiente de bibliotecas interessante para essa juventude que está aí, pouco interessada em livros. É uma metáfora que passa a mensagem subliminar de que livros podem levar você a mundos e lugares de muita aventura e fantasia, bastando para isso uma boa imaginação. Então é basicamente isso, ficarei por aqui, não pretendo continuar seguindo assistindo. Como diria aquela letra do Chuck Berry "Não sou mais um adolescente, baby!", o que tornam nulas as chances de manter o interesse daqui para frente. / The Librarians 1.01 - And the Crown of King Arthur (EUA, 2014) Direção: Dean Devlin / Roteiro: John Rogers / Elenco: Rebecca Romijn, Christian Kane, Lindy Booth.

The Last Kingdom 1.01 - Pilot
Ontem tive a oportunidade de assistir ao episódio piloto dessa nova série da BBC. A história se passa no ano de 866, na Inglaterra da Idade Média. Naqueles tempos distantes a grande ilha era dividida politicamente em vários reinos e feudos independentes, sendo a maioria deles pertencentes ao povo chamado Saxão. Viviam basicamente da terra em uma cultura de subsistência. Embora houvesse rivalidades entre os clãs essas não eram tão sérias e graves a ponto de colocar em risco aquela civilização. As coisas começaram a mudar com a chegada dos povos vikings, vindos das terras do norte. Eram guerreiros cujo objetivo máximo era a conquista, pilhagem e domínio dos povos invadidos. O roteiro dessa série assim acompanha a vida de Uhtred de Bebbanburg (Alexander Dreymon), o jovem filho de um Rei Saxão que é morto durante uma dessas invasões. Levado ainda criança para ser criado pelos inimigos como escravo, ele acaba se adaptando ao novo mundo, se tornado muito querido na família que o acolheu. Enquanto isso seu tio usurpa seu trono, impondo uma tirania que deseja eliminar o único herdeiro de direito ao poder, ou seja, ele mesmo. Esse primeiro episódio tem quase 1 hora de duração e me pareceu muito bom, embora tenha também achado um pouco expansivo demais por contar muito em um tempo relativamente curto (a história contada nesse piloto agrega mais de vinte anos na vida do protagonista). O elenco é muito bom e dois nomes de destacam. O primeiro é o de Matthew Macfadyen que os fãs de séries inglesas reconhecerão de imediato pois ele é bem conhecido por interpretar o inspetor Edmund Reid da série "Ripper Street". Macfadyen tem esse jeito todo próprio de trabalho que nos remete aos antigos atores britânicos, com aquela postura impecável e dicção perfeita. O segundo nome que chama a atenção no elenco é o do veterano Rutger Hauer (de "Blade Runner, o Caçador de Androides", "O Feitiço de Áquila" e tantos outros filmes conhecidos). Ele interpreta um velho monarca normando chamado Ravn, cego e incapacitado para o campo de batalha, o que o deixa em segundo plano dentro de seu clã. A lamentar apenas o fato de que esses dois atores não vão seguir na série nos próximos episódios em decorrência do que acontece com seus personagens dentro da história. De qualquer maneira deixo a dica desse "The Last Kingdom". Ainda é cedo para saber se a série irá vingar, porém já podemos dizer que pelo menos ela promete, seguindo de certo modo os passos do grande sucesso "Game of Thrones". / The Last Kingdom (Inglaterra, 2015) Direção: / Roteiro: / Elenco: Alexander Dreymon, Matthew Macfadyen, Ian Hart, Rutger Hauer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.