sexta-feira, 24 de março de 2017

O Terceiro Milagre

Título no Brasil: O Terceiro Milagre
Título Original: The Third Miracle
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: American Zoetrope, Franchise Pictures
Direção: Agnieszka Holland
Roteiro: John Romano
Elenco: Ed Harris, Anne Heche, Armin Mueller-Stahl, Charles Haid, Sofia Polanska, Pavol Simon
  
Sinopse:
Baseado no romance escrito por Richard Vetere, o filme "O Terceiro Milagre" conta a história do padre Frank Shore (Ed Harris). Após o surgimento de uma crença popular na santidade de uma mulher, moradora de um pequeno vilarejo, o Vaticano resolve enviar um de seus padres para investigar o que de fato estaria acontecendo por lá. Shore é que quem deverá prosseguir nas investigações para descobrir a verdade. Filme indicado ao prêmio do Mar del Plata Film Festival na categoria de Melhor Filme.

Comentários:
O roteiro desse filme é ótimo. Ele conta a crise de fé que se abate sobre um padre após ele ser enviado para um lugarejo onde pessoas estão acreditando em milagres. Os fenômenos sobrenaturais estão surgindo em torno de uma imagem de Nossa Senhora que chora lágrimas de sangue. As pessoas da região começam a peregrinar até lá e não tardam a surgir curas de doenças graves. Pela medicina todas elas seriam incuráveis e não haveria como explicar o que estaria acontecendo apenas pela ciência. O personagem de Ed Harris tem crises de fé, o que agrava ainda mais a situação. Eu sempre que posso elogio Ed Harris. Em minha opinião ele sempre foi um dos mais completos atores de sua geração. Sua postura de homem comum, mas íntegro, conta muitos pontos a favor. A cineasta Tcheca Agnieszka Holland também criou uma de suas melhores obras cinematográficas, onde tudo é feito com sutileza, sofisticação e acima de tudo respeito para com a fé católica. Um bom filme, produzido pelo mestre Francis Ford Coppola, especialmente recomendado aos interessados em seu tema religioso.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 21 de março de 2017

Vatel - Um Banquete para o Rei

Título no Brasil: Vatel - Um Banquete para o Rei
Título Original: Vatel
Ano de Produção: 2000
País: França, Inglaterra, Bélgica
Estúdio: Miramax Films
Direção: Roland Joffé
Roteiro: Jeanne Labrune, Tom Stoppard
Elenco: Gérard Depardieu, Uma Thurman, Tim Roth, Julian Sands, Julian Glover, Richard Griffiths
  
Sinopse:
Em 1671 o Rei da França Louis XIV (Julian Sands) decide passar três dias na propriedade de um conde francês, que no passado foi seu inimigo, mas que agora poderá se tornar um aliado importante em uma nova guerra que o monarca francês pretende se envolver. Para que a visita seja um sucesso, onde tudo dê certo, o conde contrata os serviços do mestre de cerimônias François Vatel (Gérard Depardieu). Caberá a ele administrar todos os eventos da visita real ao Château de Chantilly. Filme indicado ao Oscar na categoria Melhor Direção de Arte (Jean Rabasse e Françoise Benoît-Fresco). Vencedor do César Awards na categoria de Melhor Design de Produção (Jean Rabasse).

Comentários:
Outro filme que gira em torno da figura de Louis XIV, o "Rei Sol". A diferença básica de seu roteiro é que tudo se concentra não na figura real, mas sim no trabalho minucioso e exaustivo de François Vatel (Gérard Depardieu), o empregado do conde anfitrião, que precisará tomar todos os cuidados para que tudo saia conforme o planejado na visita do rei nas terras de seu patrão. E isso não é algo fácil. Ele precisará lidar com uma corte inteira (que sempre seguia os passos do rei). Pessoas mimadas, muitas vezes indisciplinadas e arrogantes, que exigiam o melhor em termos de serviços, sem facilitar o trabalho de ninguém em troca. O próprio Louis XIV é um exemplo disso. Embora viajasse com a sua Rainha, ele tinha várias cortesãs, mulheres que frequentavam sua cama, em casos escandalosos e notórios. Uma delas seria a dama de companhia Anne de Montausier (Uma Thurman), que cai nas graças do monarca justamente em sua visita ao conde. E por mais incrível que isso possa parecer, embora se torne cortesã real, ela nutre simpatias mesmo por Vatel, o homem comum, trabalhador e esforçado. Ter que lidar com a nobreza da corte se mostra assim seu trabalho mais árduo. Para se ter uma ideia de como era até mesmo perigoso lidar com a nobreza, em determinado momento do filme o irmão do rei se engraça por um menino protegido por Vatel. Embora o roteiro não deixe tudo muito claro, fica-se subentendido que o irmão de Louis seria pedófilo e estaria tentando abusar da criança. Agora imaginem a situação complicada para Vatel, ter que salvar a pele do garoto sem criar um problema com o membro da família real (o que em tempos de absolutismo poderia lhe custar a própria vida). Em termos de elenco não há o que reclamar, pois todos os atores estão excepcionalmente bem em cena. Entre os destaques poderia lembrar da excelente presença de Tim Roth como o maquiavélico Marquês de Lauzun e, é claro, como não poderia deixar de ser, a sempre marcante presença de Gérard Depardieu. Ele sempre fez valer qualquer tipo de papel que representasse. Esse filme não é exceção. É um desses atores ímpares na história do cinema. Simplesmente genial.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Versalhes, o Sonho de um Rei

Título no Brasil: Versalhes, o Sonho de um Rei
Título Original: Versailles, Le Rêve d'un Roi
Ano de Produção: 2008
País: França
Estúdio: Les Films d'Ici, France 2 (FR2)
Direção: Thierry Binisti
Roteiro: Jacques Dubuisson, Michel Fessler
Elenco: Samuel Theis, Vinciane Millereau, Jérôme Pouly, Antoine Coesens, Nicolas Jouhet, Germain Wagner
  
Sinopse:
Após a morte de seu pai, o Rei, sobe ao trono da França um jovem monarca, Louis XIV (Samuel Theis). Dono de uma personalidade megalomaníaca, o novo Rei decide construir o maior palácio real de toda a Europa, uma construção magnífica, com todo o luxo e a pompa dignas de sua majestade imperial. Para concretizar seus sonhos de construir o monumental Palácio de Versalhes, Louis XIV leva décadas, exaurindo os cofres e as finanças de toda uma nação. Para o Rei porém isso tudo pouco importa, pois ele está decidido a transformar seu exuberante projeto em realidade. Filme histórico baseado em fatos reais.

Comentários:
Excelente produção francesa que teve o privilégio de ser filmada no próprio Chateau de Versailles, o Palácio real que até hoje impressiona os visitantes que o conhecem. A história do filme é por demais interessante e mostra a obsessão que o Rei Louis XIV (Samuel Theis) criou em concretizar seus sonhos de construir algo jamais visto em toda a Europa. Conhecido como o "Rei Sol", Louis XIV  não era um homem de moderação. Tudo, absolutamente tudo, deveria ser o mais luxuoso possível, o mais brilhante, o mais magnífico. Obcecado por roupas luxuosas e palácios de sonhos, o Rei ignorou os conselhos de seus ministros para erguer no meio de um velho pântano uma das construções mais impressionantes da história. Versalhes até então não passava de uma rústica casa de campo construída por seu pai, que gostava de fazer caçadas pelas matas daquela região. Tomado por um sentimento de nostalgia, o novo Rei decide então erguer esse Palácio no mesmo lugar onde havia passado bons momentos em sua infância. Começa assim a construção de uma obra que levaria 40 anos para ser concluída. Não se contentando em levantar do chão esse tipo de construção típica das grandes monarquias do passado, Louis XIV foi além, mandando tragar as regiões pantanosas das vizinhanças, para transformar tudo ao redor em majestosos jardins, os maiores que se tinham notícia até então. Haveria muito o que explorar na história desse Rei, porém o roteiro se concentra mesmo na obsessão de Louis XIV em construir seu Palácio de Versalhes, o que não deixa de ser algo positivo, pois o espectador acaba conhecendo em detalhes a curiosa história em torno de sua construção. Os sonhos de um Rei absolutista que não aceitava respeitar limites aos seus mais loucos projetos. Autor da frase "O Estado Sou Eu", não é de se admirar que tenha ido tão longe em seus sonhos de grandeza. Um filme especialmente recomendado para quem gosta da história das monarquias europeias.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 14 de março de 2017

Mens@gem Para Você

Título no Brasil: Mens@gem Para Você
Título Original: You've Got Mail
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Touchstone Pictures
Direção: Nora Ephron
Roteiro: Nora Ephron
Elenco: Tom Hanks, Meg Ryan, Greg Kinnear, Steve Zahn, Heather Burns, Dave Chappelle
  
Sinopse:
Remake moderno do clássico "A Pequena Loja da Rua Principal" (1940), estrelado por James Stewart. Na estória uma jovem garota, Kathleen Kelly (Meg Ryan), tenta manter seu pequeno negócio em pé, uma livraria, enquanto a concorrência se torna cada vez mais feroz, com a chegada das grandes lojas de departamentos. Se as coisas não vão muito bem na vida profissional, na vida amorosa ela acaba se apaixonando por um sujeito que conhece pela internet, sem saber que no mundo real ele é um dos seus principais concorrentes de mercado. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz - Comédia ou Musical (Meg Ryan).

Comentários:
Na época em que foi lançado pela primeira vez, lá nos anos 90, parecia ser bem mais interessante. O mundo ainda parecia bem surpreendido com as inovações tecnológicas, com a possibilidade, por exemplo, de mandar um Email para alguém. É preciso compreender que antes do advento da Internet você tinha que mandar uma carta escrita, de papel, para a pessoa que desejava se comunicar. Isso levava dias, até semanas, para que a carta chegasse ao seu destino. Com o Email tudo se tornava instantâneo, de fácil comunicação, dai o nome "informática" (informação automática). Pois bem, nos anos 90, todo mundo ainda estava impactado por esse tipo de tecnologia. Assim surgiu esse romance onde os dois protagonistas trocavam mensagens românticas pela internet. Nada muito profundo, nada muito marcante, mas que certamente ainda funcionava muito bem, mesclando o bom e velho romantismo com a nova forma de se comunicar. O filme é um remake de uma fita romântica antiga da década de 40 e talvez por isso mantenha uma certa dose de inocência em seu roteiro. Tom Hanks e Meg Ryan se deram muito bem nesse tipo de filme, reprisando de certa maneira as duplas românticas de Hollywood (como por exemplo Rock Hudson e Doris Day). Foi a terceira vez que trabalharam juntos. Foi uma fase transitória para Hanks que deixava de lado sua imagem de comediante em filmes de pura galhofa como "A Última Festa de Solteiro" para abraçar outros gêneros cinematográficos. Já para Meg Ryan foi seu auge no papel de "nova namoradinha da América". A década de 90 foi seguramente sua fase de maior sucesso onde ela realmente colecionou um sucesso atrás do outro. Além disso era naturalmente linda. Pena que depois entrou na paranoia do botox e praticamente destruiu sua beleza. De qualquer forma, pelo menos, ainda sobraram esses filmes, onde toda a sua graça se mantinha intacta. Enfim, fica a dica de mais esse filme romântico. Ficou um pouco datado, mas ainda funciona como produto nostálgico do surgimento da internet.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Medici: Masters of Florence 1.01 - Original Sin

Série: Medici: Masters of Florence 
Episódio: Original Sin 
Ano de Produção: 2016
País: Inglaterra, Itália
Estúdio: RAI, Netflix
Direção: Sergio Mimica-Gezzan
Roteiro: Nicholas Meyer
Elenco: Richard Madden, Dustin Hoffman, Stuart Martin, Annabel Scholey, Guido Caprino, Alessandro Sperduti
  
Sinopse e comentários:
Essa família Medici foi uma das mais poderosas e influentes da Europa durante o período do Renascimento. Essa série assim procura explorar essa rica história. Esse aqui é o primeiro episódio e procura contar os primórdios do surgimento do imenso poder do clã Medici.

Logo nas primeiras cenas vemos o patriarca Giovanni Medici (Dustin Hoffman) caminhando tranquilamente pela manhã em uma de suas plantações de uvas em sua propriedade. Era um hábito que tinha, comer uvas tiradas do pé. O que ele não poderia antecipar era que tais uvas tinham sido borrifadas com um poderoso veneno, a Cicuta. Não demora muito e ele cai ao chão, morto. Esse trágico acontecimento abre uma caixa de Pandora para a briga pela sua herança entre os filhos, mas antes disso o espectador é enviado para um longo flashback, mostrando a força dos Medici na sucessão do novo Papa em Roma. Detalhe histórico interessante: muitos membros da família Medici conseguiram se tornar papas, principalmente entre os séculos XV e XVI.

De maneira em geral gostei desse primeiro episódio. Mesmo assim devo dizer que o roteiro poderia ser melhor organizado, pois as idas e vindas entre presente e passado não ficam muito claras ao espectador, o que poderá causar uma certa confusão. Geralmente sabemos que algo está sendo desenrolado no passado simplesmente por causa da presença do mestre Giovanni Medici (Dustin Hoffman), uma vez que ele morre envenenado logo na primeira cena. Um pouco mais de capricho dos roteiristas cairia muito bem. A produção é boa, embora algumas cenas de computação gráfica recriando antigas construções não tenham sido tão convincentes. Mesmo assim, apesar desses pequenos tropeços, tenho a intenção de continuar acompanhando.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 7 de março de 2017

Drama & Romance - Marie Antoinette

Atualmente estou lendo a biografia de Maria Antonieta escrita pelo autor Stefan Zweig. Pegando embalo na leitura tenho visto alguns filmes sobre a rainha francesa. Assim já conferi (e publiquei resenhas) sobre os filmes "Maria Antonieta", produção franco-canadense de 2006 e "Adeus, Minha Rainha" de 2012. Nenhum dos dois filmes são particularmente maravilhosos ou especiais, mas cada um, ao seu modo, resgata aspectos interessantes da última rainha da França.

A história dela, por si mesma, já é muito interessante. Ela era uma das filhas caçulas da imperatriz austríaca Maria Thereza. Tentando manter um estado de paz com a França, depois de anos de guerras sangrentas, ela acabou arranjando um casamento entre Maria Antonieta e o futuro rei da França, Luís XVI.

Eles eram apenas adolescentes quando isso aconteceu (Maria Antonieta tinha apenas 14 anos de idade) e por essa razão o casamento arranjado, pelo menos em seus primeiros anos, foi um desastre completo. Depois houve o problema de Estado (sim, de Estado!) quando o rei não conseguiu consumar seu casamento. Ele não conseguia ter relações sexuais com ela. Ter um filho era imperativo para continuar a monarquia. Só depois de sete anos de tentativas frustradas é que finalmente nasceu um herdeiro para o trono.

A vida de Maria Antonieta foi trágica porque ela, como todos sabemos, foi guilhotinada pelos radicais da Revolução Francesa. Sua vida glamorosa e cheia de excessos (ela foi considerada a primeira "fashionista" da história) causou uma revolta entre o povo francês, que na época, estava passando fome, em completa miséria. A rainha também tinha cabecinha de vento, não se importava com os assuntos do reino, procurando apenas se inteirar da última moda, para a criação de vestidos e roupas cada vez mais extravagantes. Daqui alguns dias pretendo rever a mais recente versão sobre a história de Maria Antonieta, um filme que já assisti, mas que agora pretendo rever com olhos mais críticos e atentos.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Drama & Romance - Uma Carta de Amor

Título no Brasil: Uma Carta de Amor
Título Original: Message in a Bottle
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Luis Mandoki
Roteiro: Gerald Di Pego
Elenco: Kevin Costner, Robin Wright, Paul Newman, John Savage, Illeana Douglas, Robbie Coltrane
  
Sinopse:
Baseado no romance de Nicholas Sparks o livro conta a história de Theresa Osborne (Robin Wright). Ela encontra na praia, por mero acaso, uma garrafa com uma carta de amor dentro dela. Curiosa com o achado ela resolve descobrir quem seria o seu autor. Após muito investigar e com a ajuda de um amigo jornalista Theresa descobre que a carta foi escrita por Garret Blake (Kevin Costner), um americano que escreveu o texto em homenagem à sua mulher, recentemente falecida. Impressionada com seu romantismo ela então resolve viajar, para conhecê-lo pessoalmente.

Comentários:
É um bom filme, bem romântico, apelando para um sentimentalismo que para algumas pessoas poderá soar até meio exagerado. De minha parte acabei gostando principalmente por causa do elenco. O casal Kevin Costner e Robin Wright funciona muito bem em cena, passando mesmo uma situação real para o espectador. Costner é aquele tipo de ator que vale a pena, mesmo quando atua em filmes fracos ou até mesmo grandes bombas (como "Waterworld" que praticamente afundou sua carreira). Depois da queda ele procurou por filmes menores e melhores, o que fez muito bem para ele e seu público. Claro que Costner passou pela humilhação de ter sido indicado ao Framboesa de Ouro, mas credito isso a uma briga pessoal dele com a imprensa, nada tendo a ver na verdade com esse filme em si. Foi mesmo uma retaliação pelas coisas que tinham acontecido durante o lançamento de "Waterworld". Outro destaque que sempre merece citação é a presença do veterano e mito da sétima arte Paul Newman. Tudo bem que o peso dos anos sempre se faz presente, mas Newman se sobressai, principalmente por fazer de um pequenino papel um chamariz a mais para se conhecer esse filme. Então é isso, romantismo no fundo de uma garrafa para românticos inveterados incuráveis. Vale a pena conhecer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - Adeus, Minha Rainha

Título no Brasil: Adeus, Minha Rainha
Título Original: Les Adieux à la Reine
Ano de Produção: 2012
País: França, Espanha
Estúdio: GMT Productions, Les Films du Lendemain
Direção: Benoît Jacquot
Roteiro: Benoît Jacquot, Gilles Taurand
Elenco: Léa Seydoux, Diane Kruger, Virginie Ledoyen, Xavier Beauvois, Michel Robin
  
Sinopse:
Nos últimos dias de reinado do Rei Louis XVI, a rainha Marie Antoinette (Diane Kruger) tenta organizar sua fuga para a Áustria, sua terra natal. Dentro do Palácio de Versailles a movimentação se torna intensa, com a nobreza tentando escapar com vida da Revolução Francesa, tudo sendo visto sob a ótica de uma criada da rainha, a jovem Agathe-Sidonie Laborde (Léa Seydoux). Filme indicado ao Urso de Ouro no Berlin International Film Festival e vencedor do César Awards nas categorias de Melhor Fotografia (Romain Winding), Melhor Figurino (Christian Gasc) e Melhor Desenho de Produção (Romain Winding).

Comentários:
Esse é mais um filme que explora a figura da última rainha da França, Marie Antoinette. Muito badalado em seu lançamento essa produção tem aspectos positivos e negativos. Um dos seus maiores atrativos vem do fato de ter sido rodado nas locações reais onde tudo aconteceu, no Chateau de Versailles e no Le Trianon, o pequeno palacete privado e pessoal da Rainha. Apesar disso, de ter tido essa honraria de filmar em lugares tão especiais, o diretor Benoît Jacquot não conseguiu aproveitar bem isso em cena. Percebe-se que apesar de ter sido rodado em lugares tão exuberantes (o que custou grande parte do orçamento do filme), o filme nunca se torna especialmente belo. Muitas vezes o cineasta priorizou os closes e não os ambientes abertos, perdendo muito potencial. O roteiro explora um antigo boato, a de que a rainha teria uma paixão lésbica pela duquesa Gabrielle de Polignac (Virginie Ledoyen), uma fofoca que nunca conseguiu ser provada por historiadores. No filme isso surge como um fato. A rainha sofre mais pela separação de sua amada, do que por propriamente perder seu poder. Marie Antoinette é interpretada pela atriz alemã Diane Kruger (da série "The Bridge"). Ela não é parecida fisicamente com a verdadeira rainha, nem tem o tipo de personalidade adequada para interpretá-la. A rainha era pequenina, de gestos finos, Kruger tem uma presença mais opulenta, é alta demais, o que prejudica o filme como um todo. O roteiro tenta compensar isso realçando o lado mais frívolo de Antoinette, mas não funciona muito bem. A atriz Léa Seydoux interpreta a verdadeira protagonista do filme, a de uma criada da rainha. Ela seria a incumbida de ler livros importantes para Marie Antoinette, pois a rainha era conhecida por não gostar muito de ler, embora tivesse uma das melhores bibliotecas do mundo ao seu dispor. No saldo final temos que reconhecer que "Les Adieux à la Reine" tinha muito potencial, mas tudo fica de certa forma pelo meio do caminho. Poderia ter sido um filme bem melhor.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - Maria Antonieta

Título no Brasil: Maria Antonieta
Título Original: Marie-Antoinette
Ano de Produção: 2006
País: Canadá, França
Estúdio: GMT Productions, Télé-Québec
Direção: Francis Leclerc, Yves Simoneau
Roteiro: Jean-Claude Carrière
Elenco: Karine Vanasse, Olivier Aubin, Marie-Eve Beaulieu, Danny Gilmore, Hélène Florent
  
Sinopse:
Marie-Antoinette (Karine Vanasse) é uma jovem duquesa austríaca, filha da imperatriz Maria Teresa, que é dada em casamento ao futuro Rei da França, Louis XVI (Olivier Aubin). Ela chega a Paris com apenas 14 anos de idade. Após a morte do Rei Luís XV ela se torna Rainha da França, em um dos períodos mais turbulentos da história, com a eclosão da Revolução Francesa. Filme premiado pela Visual Effects Society Awards.

Comentários:
Produção franco canadense, muito bem realizada, que se propõe a contar a história da Rainha Marie-Antoinette (1755 - 1793). A estrutura do filme é bem interessante, quase adotando uma postura de semi documentário. Há uma narração que vai da primeira a última cena, tal como se houvesse alguém narrando um livro de história (ou um conto de fadas, dependendo do ponto de vista). A história de Maria Antonieta já é por si só por demais interessante, pois ela foi o símbolo do Antigo Regime, absolutista, com todos os exageros de luxo e poder, enquanto o povo francês padecia de uma grave crise, com fome e miséria por todo o reino. A rainha e o marido subiram ao poder ainda muito jovens, viviam alienados entre os muros do fabuloso palácio de Versalhes. O resultado de uma situação como essa não poderia ser diferente, pois logo explodiu um movimento revolucionário de consequências trágicas para toda a família real. Obviamente houve erros por parte de Luís XVI e Maria Antonieta, mas o filme também procura mostrar que eles também foram vítimas de injustiças, principalmente em seus julgamentos, verdadeiras farsas que visavam apenas punir e matar os membros da monarquia. Um dos pontos altos desse filme é a atuação da bela atriz canadense Karine Vanasse. Além de ser parecida com a rainha, ela ainda demonstra um grande carisma em cena. Outro ponto digno de nota é que o roteiro procurou colocar nos diálogos trechos de cartas que foram escritas pela própria Maria Antonieta, fazendo com que tudo seja historicamente ainda mais preciso. Um filme muito interessante para quem deseja conhecer melhor a vida da última rainha francesa.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - Ou Tudo, Ou Nada

Título no Brasil: Ou Tudo, Ou Nada
Título Original: The Full Monty
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Peter Cattaneo
Roteiro: Simon Beaufoy
Elenco: Robert Carlyle, Tom Wilkinson, Mark Addy
  
Sinopse:
Um grupo de seis trabalhadores comuns resolve montar um show de nudez, com homens normais, sem músculos, sem nenhum grande atrativo. A situação incomum logo chama a atenção da sociedade e a imprensa que começa a dar destaque ao estranho evento! Filme indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Comédia ou Musical. Filme premiado pelo Oscar na categoria de Melhor Música (Anne Dudley). Também indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Direção (Peter Cattaneo), Melhor Filme e Melhor Roteiro Original (Simon Beaufoy).

Comentários:
Filme que foi muito badalado, absurdamente badalado, pela crítica internacional. Isso levou o filme a ser indicado a prêmios importantes, sem nenhuma justificativa. E afinal do que se trata? Se trata basicamente de uma comédia muito simples, que explora apenas uma situação pretensamente divertida e engraçada: um bando de trabalhadores que resolvem ficar pelados para ganhar uma grana extra. Por serem totalmente diferentes dos profissionais strippers, com todos aqueles músculos e corpo cheio de óleo, eles acabam atraindo a atenção para si mesmos. É isso, nada mais, nada menos. No começo você ainda pode - fazendo muita força - dar algumas risadinhas amarelas. Depois vai ficando cansativo, cansativo e lá pelo final você vai ficar torcendo para o filme acabar logo. De bom mesmo apenas algumas cenas que exploram os problemas sociais da classe trabalhadora. Mesmo assim nem isso é muito trabalhado. Enfim, tudo muito fraco e muito superestimado. Pode ser dispensado sem maiores dificuldades.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - Garotas Selvagens

Título no Brasil: Garotas Selvagens
Título Original: Wild Things
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Mandalay Entertainment
Direção: John McNaughton
Roteiro: Stephen Peters
Elenco: Kevin Bacon, Matt Dillon, Neve Campbell, Denise Richards, Theresa Russell, Robert Wagner, Bill Murray
  
Sinopse:
O professor Sam Lombardo (Matt Dillon) é detido, acusado de ter estuprado uma aluna, Kelly Van Ryan (Denise Richards), de uma tradicional família da Flórida. O detetive Ray Duquette (Kevin Bacon) começa então a investigar o caso e encontra furos e histórias mal contadas. Mesmo com a testemunha de Suzie Toller (Neve Campbell), outra aluna, de origem humilde, ele acredita que a verdade não está com a versão que as garotas contam.

Comentários:
Nunca gostei muito desse filme, isso apesar de contar com um ótimo elenco, uma mistura esperta entre veteranos e estrelas jovens em ascensão. A tentativa de tornar tudo sensual em uma história de cobiça, luxuria e traição, só funciona em termos. Quando tudo desanda para a (quase) vulgaridade, o filme se perde bastante. É um filme curioso também porque foi produzido pelo ator Kevin Bacon que usou seu prestígio pessoal e amizades no meio cinematográfico para trazer gente como Robert Wagner e Bill Murray em pequenas pontas. Também foi o filme que transformou as gatinhas adolescentes Neve Campbell e Denise Richards em musas sensuais para os jovens dos anos 90. Pena que nenhuma delas acabou fazendo uma carreira mais consistente nos anos que viriam. Pelo visto, como costumava dizer John Lennon, um rostinho bonito só dura alguns anos, depois se não tiver talento dramático real a carreira entra em pane, levando todas elas para um ostracismo. Então é isso, hoje em dia "Wild Things" já nem parece mais tão selvagem, embora na época de seu lançamento tenha chamado bastante a atenção. Revisto, vale como mera curiosidade.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - O Quarto Poder

Título no Brasil: O Quarto Poder
Título Original: Mad City
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Costa-Gavras
Roteiro: Tom Matthews
Elenco: John Travolta, Dustin Hoffman, Alan Alda
  
Sinopse:
John Brackett (Dustin Hoffman) é um repórter decadente que ao visitar um museu para uma matéria de rotina acaba tirando a sorte grande. Acontece que o guarda do local, Sam (John Travolta) se revolta ao ser demitido e acaba ameaçando a diretora do museu. Mais do que isso, acidentalmente ele dispara sua arma dentro do lugar. Era tudo o que Brackett precisava para fazer uma reportagem extremamente sensacionalista, chamando a atenção de todo o país.

Comentários:
Essa denominação "Quarto Poder" geralmente é usada para designar os órgãos de imprensa, ou seja, a mídia. Assim foi bem feliz esse título nacional desse filme originalmente chamado "Mad City" (Cidade Louca, em inglês). O roteiro é obviamente uma crítica aos meios de comunicação que geralmente exageram nas matérias jornalísticas, aumentando em muito o real impacto do que está acontecendo. É curioso porque esse filme foi realizado antes dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, onde acontecimentos assim, de ameaças e terror, eram relativamente bem raros dentro dos Estados Unidos. Depois de 11/9 situações como essa mostrada no filme dificilmente chamariam a atenção de toda a nação como acontece nesse roteiro. No máximo seria tratado como um evento de criminalidade meramente local. Embora até apresente uma boa ideia o fato é que logo o filme se torna cansativo, principalmente porque o antes aclamado diretor Costa-Gavras não parece ir a fundo em praticamente nada, ficando apenas na superficialidade. Assim o cineasta acaba confirmando uma velha máxima que dizia que grande diretores estrangeiros geralmente se tornam medíocres quando vão para Hollywood. A máquina da indústria cinematográfica americana geralmente engole todos eles, sem dó e nem piedade. Enfim, temos aqui um filme até bem banal, apesar dos nomes envolvidos. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - 10 Curiosidades sobre Cinquenta Tons Mais Escuros

10 Curiosidades sobre "Cinquenta Tons Mais Escuros"

1. O filme "Cinquenta Tons Mais Escuros" foi rodado praticamente de forma simultânea com o terceiro filme da franquia chamado "Cinquenta Tons de Liberdade". A intenção do estúdio foi economizar custos, além de viabilizar um lançamento mais próximo do outro.

2. A Universal Pictures investiu 60 milhões de dólares nessa continuação. Para não pagar tantos impostos o estúdio decidiu que as filmagens seriam realizadas no exterior, em Vancouver no Canadá. Ela foram finalizadas em julho de 2016, em Paris e Nice, na França.

3. O ator Jamie Dornan quase não conseguiu chegar em um acordo com a Universal. Ele pediu um cachê que para o estúdio foi considerado alto demais. Só após várias negociações ele finalmente acertou sua volta como o personagem Christian Grey. Estima-se que ele tenha recebido 10 milhões de dólares pelos dois filmes.

4. Kim Cattrall, Michelle Pfeiffer e Charlize Theron foram cogitadas para atuar nessa segunda produção.

5. O roteirista Niall Leonard é casado com a escritora E.L. James, que escreveu todos os romances que deram origem aos filmes. Essa aproximação ajudou bastante na hora em que havia dúvidas sobre a adaptação do texto original para o cinema.

6. Um momento de tensão aconteceu nas filmagens, quando a equipe se encontrava em Nice, na França. Houve um atentado terrorista, onde várias pessoas foram mortas. A Universal então cancelou o restante das filmagens e toda a equipe técnica retornou aos Estados Unidos.

7. A atriz Dakota Johnson ficou visivelmente abalada com tudo o que aconteceu na França. Na volta aos Estados Unidos decidiu não falar sobre o assunto em suas entrevistas de divulgação do filme.

8. Essa é a estreia do diretor James Foley na franquia. Ele foi contratado para dirigir ainda o terceiro filme "Cinquenta Tons de Liberdade". Profissional experiente no mundo das séries ele dirigiu vários episódios de "House of Cards".

9. A Universal espera faturar algo em torno de 300 a 500 milhões de dólares em bilheteria.

10. Assim como aconteceu com o primeiro filme essa nova continuação não tem sido muito bem recebida pela crítica mundial.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - Entrevista - Dakota Johnson (Cinquenta Tons Mais Escuros)

A atriz Dakota Johnson está dando várias entrevistas ao redor do mundo para o lançamento mundial do filme "Cinquenta Tons Mais Escuros" que chega às telas do Brasil nesse fim de semana. Na imprensa britânica a atriz foi entrevistada por vários jornais e órgãos de imprensa. Confira algumas de suas declarações.

Perguntada sobre o novo filme e seu teor, ela confessou: "Eu nunca pensei que chegaria nesse ponto. Na minha vida pessoal não entraria em um relacionamento tão estranho! Esses filmes me fizeram chegar em lugares que não iria apenas por conta própria" - deixou assim uma sensação de que não concordaria com muitas das situações que sua personagem encara nas produções. "É uma escolha dela, da personagem! Eu não entraria em nada parecido!"

Sobre as críticas Dakota parece bem tranquila. "Sempre haverá críticas ruins e negativas, faz parte do negócio, de se estar no mundo do cinema. Eu percebo que muitos críticos odeiam a tal mensagem que essa história tenta passar, mas isso é uma grande baboseira! É diversão, entretenimento, arte - não é a vida real. As mulheres sonham ainda com príncipes encantados, não tem jeito. Christian Grey é um desses bonitões que sempre esperamos! Ok, ele é meio diferente (risos) mas quem não queria ter um encontro com ele?"

A atriz deixou claro que ainda haverá um terceiro filme a ser lançado no ano que vem. "Estamos no fim das filmagens do terceiro filme! É meio estranho quando algo que já filmamos há tempos só chega nas telas agora, dá uma impressão que estamos assistindo a um filme antigo, embora seja novidade para todo mundo! E então temos que voltar e dar entrevistas de como foram as filmagens, mas será que eu lembro? (risos). Estou feliz que os filmes estejam fazendo sucesso, trabalhamos para isso!".

A texana de Austin porém quer ir além na carreira. "Eu gostei muito de ter atuado em Como Ser Solteira - me identifiquei um bocado com o roteiro! Meu próximo filme será chamado The Sound Of Metal. É uma história sobre uma banda de rock pesado! Eu vou cantar nesse filme, então é tudo ainda no ar! Espero não decepcionar os meus fãs. Suspiria é outro filme meu que chegará em breve nos cinemas. É sobre uma garota na cidade de Berlim durante a década de 1970, guerra fria, e todas essas coisas. Penso que vai ser genial!". Pelo visto Dakota pretende ir sempre em frente, em busca de novos desafios na carreira.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Drama & Romance - O Aprendiz

Título no Brasil: O Aprendiz
Título Original: Apt Pupil
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos, França
Estúdio: TriStar Pictures
Direção: Bryan Singer
Roteiro: Brandon Boyce
Elenco: Ian McKellen, Brad Renfro, Joshua Jackson, David Schwimmer
  
Sinopse:
Baseado em um livro escrito por Stephen king, o filme "O Aprendiz" mostra a história de Todd Bowden (Brad Renfro), um jovem adolescente comum que começa a se aproximar de seu vizinho, o sr. Kurt Dussander (Ian McKellen). Na aparência ele não passa de um velhinho simpático, curtindo a aposentadoria de seus últimos anos de vida. O que poucos sabem é que Kurt foi um oficial nazista da SS durante a II Guerra Mundial.

Comentários:
A premissa, como se pode notar em sua sinopse, é das mais interessantes. Além disso o filme é estrelado pelo ator Ian McKellen, que sempre achei excepcional em praticamente todos os filmes em que atuou. O roteiro explora, de certa forma, a inegável atração que até hoje a ideologia nazista desperta dentro da sociedade americana! O escritor Stephen King aqui quis fazer uma espécie de metáfora sobre o ressurgimento do neonazismo, principalmente entre os jovens. O resultado é muito bom, valorizado por um bem trabalhado suspense que vai crescendo conforme o filme vai chegando ao final. A cena em que o velho SS resolve usar mais uma vez seu uniforme nazista, dos tempos de guerra, com grande orgulho, praticamente bufando de prazer pessoal e auto estima, é um desses momentos que ficarão por muitos anos em sua mente de cinéfilo. Como eu costumo dizer, uma vez que você seja realmente doutrinado em uma ideologia política (seja ela nazista, socialista ou o que for) dificilmente haverá volta. Sua mente é condicionada para sempre e você, de forma fanatizada, acaba abraçando os fundamentos da ideologia como verdades absolutas. Assista ao filme e entenda esse aspecto que resiste aos anos, às derrotas e até mesmo à velhice. Uma vez doutrinado, você estará fisgado para sempre!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.