quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Os Irmãos McMullen

Título no Brasil: Os Irmãos McMullen
Título Original: The Brothers McMullen
Ano de Produção: 1995
País: Estados Unidos
Estúdio: Marlboro Road Gang Productions
Direção: Edward Burns
Roteiro: Edward Burns
Elenco: Jack Mulcahy, Michael McGlone, Edward Burns, Catharine Bolz, Connie Britton, Jennifer Jostyn
  
Sinopse:
Três irmãos irlandeses e católicos passam por problemas emocionais e familiares enquanto vão tentando vencer na vida durante a década de 1990. Quando se encontram tentam encontrar o caminho certo a seguir, trocando ideias, conselhos e visões de vida bem particulares. Primeiro filme do diretor Edward Burns, premiado pelos festivais de cinema Independent Spirit Awards e Sundance Film Festival.

Comentários:
Bom filme, bem humano, baseado em certo aspecto na própria vida do cineasta Edward Burns que também escreveu seu roteiro. O foco é baseado na relação entre três irmãos irlandeses. Jack McMullen (Jack Mulcahy) é o mais velho. Ele está passando por uma grave crise no casamento. Depois de tantos anos ele percebe que muito provavelmente se casou com a mulher errada. A pressão social e religiosa porém o mantém em um relacionamento que parece estar completamente falido. Barry McMullen (interpretado pelo próprio diretor Edward Burns) sonha em se tornar cineasta, mas o caminho até lá será bem complicado. Para sua sorte acaba encontrando a mulher de sua vida justamente dentro de um estúdio de cinema. Por fim o caçula dos irmãos, Patrick McMullen (Mike McGlone), vive um verdadeiro drama existencial, ficando na dúvida se abraça uma carreira na igreja ou se segue o caminho de seus irmãos mais velhos. Por ser um filme dramático, apoiado em um ótimo roteiro, com excelentes atuações e diálogos, o filme acaba se tornando uma grata surpresa e um excelente entretenimento para quem vive, de alguma forma, uma identificação com a estória mostrada.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Ricardo III - Um Ensaio

Título no Brasil: Ricardo III - Um Ensaio
Título Original: Looking for Richard
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Al Pacino
Roteiro: Al Pacino
Elenco: Al Pacino, Alec Baldwin, Kevin Spacey, Winona Ryder
  
Sinopse:
O ator Al Pacino mostra nesse documentário as dificuldades e os bastidores da montagem de uma clássica peça de William Shakespeare, Ricardo III, escrita em 1592. Ao mesmo tempo as câmeras captam Pacino na pele do vil personagem criado por um dos maiores autores de todos os tempos. Filme vencedor do Directors Guild of America e do American Cinema Editors na categoria de Melhor Documentário. Também indicado ao Independent Spirit Awards na categoria de Melhor Ator (Al Pacino).

Comentários:
Poucos ainda se lembram ou chegaram a assistir esse excelente documentário roteirizado e dirigido pelo grande Al Pacino. Sua intenção é bem simples de entender desde os primeiros minutos. O filme em si é uma grande e apaixonada declaração de amor por parte de Pacino ao teatro clássico, em especial da obra de William Shakespeare. Usando como base os ensaios de uma adaptação de "Richard III" do famoso dramaturgo, ele ouve colegas de profissão, diretores, o público e todas as pessoas envolvidas na adaptação dessa peça teatral. O Pacino que surge em cena é o mais honesto possível, falando de improviso ele parece vibrar com as possibilidades de se levar um trabalho como esse para todos os tipos de espectadores. É curioso porque abre espaço para o lado teatral de sua carreira, principalmente para quem só conhece Al Pacino de seus filmes no cinema. Em determinado momento, em um momento de rara sinceridade, o próprio Pacino deixa claro que sua grande paixão é realmente o palco. O cinema surge assim como uma forma de popularizar seu nome, trazendo viabilidade comercial para as peças em que trabalhou por todos esses anos. Enfim, um belo documentário mostrando o lado dos bastidores apaixonados do cenário teatral de Nova Iorque e Londres. Acima de tudo é uma aula de sensibilidade e paixão por sua profissão de ator.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

A Duquesa

Título no Brasil: A Duquesa
Título Original: The Duchess
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures                      
Direção: Saul Dibb
Roteiro: Saul Dibb, Anders Thomas Jensen, baseados na obra de Amanda Foreman 
Elenco: Keira Knightley, Ralph Fiennes, Charlotte Rampling

Sinopse: 
Baseado em fatos reais o filme narra a história de Georgiana Spencer, nobre inglesa que se destacou por romper com os modelos femininos que se esperavam uma mulher da nobreza como ela. Casada com o Duque de Devonshire, que estava interessado apenas em um herdeiro, a jovem duquesa resolveu romper os laços mais tradicionais da sociedade britânica da era vitoriana.

Comentários:
Filme muito bom, com excelente reconstituição de época e história mais do que interessante dessa condessa que estava além de seu tempo. Criada para ser uma dondoca palaciana, para dar um herdeiro ao seu riquíssimo marido e nada mais, ela resolveu ir além. Mulher inteligente se engajou em lutas feministas da época e se aliou ao Partido Liberal, o que era algo completamente escandaloso para uma mulher de sua posição social. Também não se furtou de abraçar suas paixões, se envolvendo inclusive em vários romances extraconjugais já que seu marido, um tanto afetado, não parecia lhe dispensar maior atenção. Outro fato curioso digno de nota é que a verdadeira Georgiana Spencer foi uma das mulheres da família Spencer, linhagem essa que décadas depois daria origem a parte da sucessão ao trono da Inglaterra dos dias atuais, pois uma de suas descendentes foi nada mais, nada menos do que Diana Spencer, a Lady Di, a muito querida pelos ingleses, Princesa Diana. Assim os futuros reis da Inglaterra serão descendentes da revolucionária Georgiana, quem diria! No mais vale registrar elogios para todo o elenco principal. Keira Knightley, Ralph Fiennes e Charlotte Rampling estão perfeitos em cena, recriando todo o clima de sofisticação e refinamento que imperava na casas nobres daquela época. Um belo retrato de um tempo em que a mulher tinha que abrir seus próprios caminhos com muita luta, garra e vontade.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Todos Dizem Eu Te Amo

Título no Brasil: Todos Dizem Eu Te Amo
Título Original: Everyone Says I Love You
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Miramax, Magnolia Productions
Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen
Elenco: Woody Allen, Goldie Hawn, Julia Roberts, Drew Barrymore, Edward Norton, Alan Alda
  
Sinopse:
O filme conta a estória da vida amorosa e sentimental de uma típica família de Nova Iorque. Holden (Edward Norton) e Skylar (Drew Barrymore) formam um jovem casal de Manhattan que tenta superar seus problemas. Os pais de Skylar, Bob (Alan Alda) e Steffi (Goldie Hawn), apesar dos anos de casamento também sentem que o relacionamento está chegando em um momento delicado. Joe (Woody Allen) é o ex-marido de Steffi. Ele decide viajar até Veneza em busca de um novo recomeço em sua vida na parte mais bela e romântica da Europa. Lá acaba conhecendo a americana Von (Julia Roberts), que se relaciona rapidamente com ele, tentando esquecer seu casamento em crise. E isso é apenas o começo de uma grande e complicada rede de relacionamentos familiares e pessoais de cada um.

Comentários:
Embora eu goste dessa fase relativamente mais recente da carreira do diretor Woody Allen, o fato é que ainda prefiro muito mais seus filmes mais antigos, principalmente os que foram realizados durante as décadas de 1970 e 1980. Eram filmes mais honestos, verdadeiros. Parece que depois que largou seu antigo produtor Allen se tornou muito comercial, apelando para elencos numerosos, cheios de astros do cinema, para atrair o público. O problema é que nenhum desses filmes conseguiu desenvolver de forma satisfatória seus personagens. Allen precisou criar tantos papéis, para encaixar tantos astros e estrelas de Hollywood, que tudo acabou ficando vazio, falso, plastificado. Outro aspecto é que Allen deixou uma de suas marcas características de lado, a dos longos e bem elaborados diálogos, para contar estorinhas bem fracas, onde o aspecto existencial sequer passa perto. Tudo para agradar um público maior. Nesse processo esqueceu seus antigos admiradores, se tornou quase um diretor como outro qualquer, banal e focado apenas em fazer grandes bilheterias. Sim, essa é a fase em que Allen vendeu a alma em busca de um sucesso fugaz e irrelevante. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Filme - Comédia ou Musical.

Pablo Aluísio.


terça-feira, 9 de agosto de 2016

Paris, Texas

Título no Brasil: Paris, Texas
Título Original: Paris, Texas
Ano de Produção: 1984
País: Inglaterra, Alemanha, França
Estúdio: Road Movies Filmproduktion, Argos Films
Direção: Wim Wenders
Roteiro: L.M. Kit Carson, Sam Shepard
Elenco: Harry Dean Stanton, Nastassja Kinski, Dean Stockwell, Aurore Clément, Tom Farrell
  
Sinopse:
Em um deserto hostil do Texas, um homem sem memória (Harry Dean Stanton) acaba sendo encontrado. Ele é Travis Henderson. Seu maior drama é não saber quem é, de onde veio e nem para onde vai. Aos poucos porém ele vai, em rápidos lapsos, entendendo e recriando tudo o que aconteceu em sua vida passada. Ao lado do irmão, sua esposa e sua filha ele começa então a tecer pequenos momentos de lembrança em sua mente abalada. Filme vencedor do BAFTA Awards na categoria de Melhor Direção (Win Wenders).

Comentários:
Esse é um cult movie que foi muito cultuado durante os anos de ouro do VHS (entenda-se anos 80). Curiosamente apesar de sempre ler e ouvir falar sobre o filme na época, principalmente através de publicações de cinema (lembra delas?) fiquei anos sem conferir o tão aclamado filme de Wim Wenders. Certa manhã, durante as férias de verão, na casa de parentes, acabei dormindo até um pouco mais tarde e fiquei para trás em casa, sozinho. Todos os demais tinham ido à praia. Procurando por algo a assistir me deparei com uma velha fita VHS de "Paris, Texas" e assim o assisti pela primeira vez, meio sonolento, é verdade, numa manhã de domingo. A minha impressão - que ainda se mantém firme depois de todos esses anos - é a de que o diretor alemão foi mesmo um mestre nessa sua maneira de dirigir, dando muita importância à forma, porém sendo bem raso em termos de conteúdo. O enredo de "Paris, Texas" não parece ir para lugar nenhum, essa é a verdade. Wenders porém o trata com tanto maestria, em termos cinematográficos, que o público acaba esquecendo disso. Visualmente muito bem fotografado, embora com um visual árido, o filme se destaca por ter uma narrativa que nos lembra até mesmo um sonho. Não há muito objetividade e nem muita certeza para onde se quer ir. Em relação a esse filme em si o que realmente importa é o caminho a ser percorrido e não o seu ponto de chegada, o objetivo final de sua estória. Para quem gosta desse tipo de filme fica a indicação. Já para os que preferem algo mais claro e objetivo fica o aviso.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

O Pesadelo de Darwin

Título no Brasil: O Pesadelo de Darwin
Título Original: Darwin's Nightmare
Ano de Produção: 2004
País: França, Alemanha, Bélgica, Áustria
Estúdio: Mille et Une Productions
Direção: Hubert Sauper
Roteiro: Hubert Sauper
Elenco: Elizabeth 'Eliza' Maganga Nsese, Raphael Tukiko Wagara, Dimond Remtulia
  
Sinopse:
Em meados do século XX uma empresa acabou soltando um tipo de peixe no grande lago Vitória, na Tanzânia. A espécie não seria natural daquele país. Com sua soltura na natureza e sem inimigos naturais acabou dominando a pesca da região, causando grande fome entre a população local, impedida de pescar a cara iguaria que seria então exportada para a Europa.

Comentários:
Esse filme foi indicado ao Oscar de Melhor documentário. É uma produção entre vários países da Europa que tentam demonstrar que nem sempre um produto de exportação bem sucedido traz riqueza para as populações mais pobres dos países que o exportam. O cenário é a Tanzânia, no lago Vitória, o maior lago tropical do mundo. Nesse rico manancial de águas cristalinas tentou-se criar uma experiência que deu certo. Uma espécie de peixe foi colocada no lago para adaptação. Deu certo, só que a custa das espécies nativas do lago. Assim o povo que o pescava ficou sem opção de alimentos. O título do filme, "O Pesadelo de Darwin" faz uma referência óbvia sobre a Teoria da Evolução e da seleção natural do cientista Charles Darwin que previa que apenas as espécies mais fortes e resistentes, adaptadas ao seu habitat natural, sobreviveriam. Deu no que deu. De certa maneira tudo o que aconteceu no lago Vitória apenas confirmou as teorias do grande cientista inglês. Em suma, um documentário muito interessante, principalmente para aqueles que gostam e estudam sobre temas biológicos e ecológicos.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Tess - Uma Lição de Vida

Um filme de Roman Polanski  que hoje em dia já não é mais tão lembrado. Uma pena pois é um dos meus preferidos da safra do diretor. O enredo mostra a vida da jovem Tess (Nastassja Kinski), uma camponesa, extremamente humilde, mas igualmente linda! Seu pai é um sujeito ganancioso que descobre pertencer a uma linhagem familiar de nobres. Embora ele seja extremamente pobre, resolve explorar esse grau de parentesco para subir na vida. Seu grande trunfo é sua própria filha, na idade de casar e arranjar um pretendente. Assim Tess acaba virando uma moeda de troca na ascensão social, indo parar nas mãos de homens de gestos e atitudes pouco nobres.

O que mais é interessante nesse roteiro é o fato de explorar a fragilidade do papel de uma mulher, principalmente quando se é bela, mas sem condições financeiras ou materiais. A vulnerabilidade de Tess nesse sentido fica logo evidente. Por outro lado o diretor Polanski, que escreveu o roteiro, procura fugir do lugar comum, colocando aspectos mais humanos em todos os personagens. Os "vilões" também possuem qualidades, assim como a "mocinha" Tess também apresenta sentimentos vis e nada condizentes com as heroínas idealizadas de outros romances. Por falar em Tess o grande atrativo desse filme segue sendo a presença da atriz Nastassja Kinski. Quando o filme foi realizado ela ainda era bem jovem e estava lindíssima, no auge de sua beleza. Em minha opinião ela sempre transpareceu uma sensualidade natural, muito erótica, sem a necessidade para apelar para cenas mais ousadas. Tanto isso é verdade que Polanski conseguiu dela uma atuação muito sedutora, sem nunca apelar para a vulgaridade.

Tess - Uma Lição de Vida (Tess, França, Inglaterra, 1979) Direção: Roman Polanski / Roteiro: Gérard Brach, Roman Polanski / Elenco: Nastassja Kinski, Peter Firth, Leigh Lawson / Sinopse: Tess (Kinski) é uma jovem camponesa, extremamente bonita e naturalmente sensual, que acaba virando alvo da sedução de homens que desejam lhe explorar. Filme vencedor do Oscar nas categorias de Melhor Fotografia (Geoffrey Unsworth, Ghislain Cloquet), Melhor Direção de Arte (Pierre Guffroy, Jack Stephens) e Melhor Figurino (Anthony Powell). Também indicado nas categorias de Melhor Filme, Direção e Música Original (Philippe Sarde).

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

James Dean

Título no Brasil: James Dean
Título Original: James Dean
Ano de Produção: 2001
País: Estados Unidos
Estúdio: CBS Studios
Direção: Mark Rydell
Roteiro: Israel Horovitz
Elenco: James Franco, Valentina Cervi, Michael Moriarty
  
Sinopse:
Nos anos 1950 um jovem ator chamado James Dean (James Franco) começa a se tornar sensação em Hollywood. Com jeito rebelde e fora dos padrões ele estrela três filmes de grande sucesso de público e crítica (Vidas Amargas, Juventude Transviada e Assim Caminha a Humanidade). O que Dean nem desconfiaria é que sua vida seria breve. Em poucas semanas ele morreria de um terrível acidente na estrada de Salinas. Filme baseado em fatos reais. Filme vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator - Telefilme ou Minissérie (James Franco).

Comentários:
Nunca achei grande coisa. Certamente a história de James Dean é bem interessante e daria um belo filme, mas não da forma como tudo aqui foi realizado. Os erros começam pelo ator principal. James Franco não tem cacife para interpretar Dean. Há uma distância muito grande entre sua imagem pública e o mito de James Dean. Além disso ele exagera nos maneirismos e isso estraga em parte sua atuação. Toda caracterização que abraça o cartunesco, o burlesco, cai no vazio. O roteiro também não me agradou muito porque tudo surge de forma muito corrida. Talvez pelo fato de eu ter lido biografias de Dean, onde tudo acontece no seu devido tempo, com detalhes e minúcias, tenha criado em minha mente algo que não correspondeu ao filme. Isso geralmente acontece quando a literatura é adaptada para o cinema. Mesmo assim temos que admitir que em vários aspectos o filme realmente deixa a desejar, seja na produção (tudo bem, é um telefilme, mas era de se esperar um pouco mais de capricho), seja no elenco, figurinos e reconstituição de época, histórica. Sabe aquele tipo de produção que você nunca consegue imergir completamente porque algo soa falso, sem veracidade? Pois é justamente disso que estou escrevendo. O mito James Dean certamente merecia coisa melhor.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Caninos Brancos

Título no Brasil: Caninos Brancos
Título Original: White Fang
Ano de Produção: 1991
País: Estados Unidos
Estúdio: Walt Disney Pictures
Direção: Randal Kleiser
Roteiro: David Fallon, Jeanne Rosenberg, Nick Thiel
Elenco: Ethan Hawke, James Remar, Klaus Maria Brandauer, Seymour Cassel

Sinopse:
Jack Conroy (Ethan Hawke) sonha em ficar rico e para isso resolve subir às montanhas geladas do Alasca em busca de locais onde possa achar ouro. No caminho acaba se tornando amigo de um lobo selvagem que parece se afeiçoar a ele. Jack resolve chamar o novo amigo de "Caninos Brancos". Juntos viverão muitas aventuras no meio da neve e do clima hostil da região.

Comentários:
Produção Disney levemente inspirada em um filme antigo estrelado por Clark Gable chamado "O Grito da Selva". O que temos aqui é um filme muito agradável, com enredo louvando a amizade entre homem e animal que lutam juntos para sobreviver em um lugar onde a natureza se faz presente de forma hostil e severa. Ethan Hawke, que anos depois iria cultivar uma imagem cult aqui se mostra um bom ator de aventuras. Seu companheiro de cena, o tal lobo "Caninos Brancos" rouba o show, mostrando uma postura quase humana. Curiosamente, como sempre acontece em filmes assim com animais, o personagem animal na realidade é "interpretado" por vários lobos diferentes, cada um com sua especialidade (alguns em saltar, outros em correr e por aí vai). Bom entretenimento com o padrão de qualidade Walt Disney para a garotada em geral.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 23 de julho de 2016

No Amor e na Guerra

Título no Brasil: No Amor e na Guerra
Título Original: In Love and War
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Richard Attenborough
Roteiro: Henry S. Villard, James Nagel
Elenco: Sandra Bullock, Chris O'Donnell, Mackenzie Astin
  
Sinopse:
O jovem jornalista americano Ernest Hemingway (Chris O'Donnell) é enviado para a Itália para trabalhar como motorista de ambulância durante a I Guerra Mundial. Lá acaba conhecendo a enfermeira Agnes von Kurowsky (Sandra Bullock) e fica apaixonado por sua coragem e doçura. O amor, que parece tão perfeito, porém terá que passar por um trágico destino. Filme indicado ao Urso de Ouro do festival de Berlim.

Comentários:
Os livros do escritor Ernest Hemingway são considerados verdadeiras obras primas da literatura. Vários deles foram adaptados para o cinema. Nessa produção aqui o diretor Richard Attenborough (de "Gandhi", um cineasta de que gosto muito) resolveu contar não as estórias do livro de seu autor, mas sim parte de sua biografia. É interessante que se formos analisar bem veremos que a biografia de Ernest Hemingway está presente em praticamente todos os enredos de seus romances. De certa maneira todos os seus escritos eram autobiografias romanceadas. Aqui, por exemplo, o jornalista acaba se apaixonando por uma enfermeira durante um conflito militar. Ora, basta ler obras como "Adeus às Armas" para compreender que é justamente a mesma coisa, a mesma história. Já do ponto de vista cinematográfico o que posso dizer desse filme é que ele é sim interessante, tem boa produção e até mesmo uma boa dupla de protagonistas. Seu maior problema talvez seja seu ritmo que em determinados momentos se torna arrastado em demasia. Mesmo assim não precisa se preocupar pois o filme como um todo é no mínimo uma boa diversão romântica.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.